Página Inicial
Cadastre-se

Receba nossas novidades em seu e-mail:

O que você Procura?

Fachadas de casas

10/04/2014 Um resumo sobre os principais sistemas de fachadas envidraçadas

Fachadas de casas

Esse post é um resumo de uma matéria especial que escrevi sobre fachadas, resolvi dividir entre materia resumida (que é essa) e matéria completa que esta logo em seguida.
 

Veremos então que existem quatro sistemas de envidraçamento de fachadas que foram evoluindo, mas que mantiveram características muito semelhantes.
Aconselho que leia esse post resumido e logo após a matéria mais detalhada.
O link do post completo esta no final dessa matéria!
 

Evolução das fachadas:

fachadas de casas
 fachada de casas

Depois, falamos sobre o sistema Spider Glass ou vidro exterior agrafado. 

fachada spider glass

Em seguida, abordamos um pouco os sistemas tradicionais migrando para a composição de fachadas envidraçadas de grande porte com o auxílio de estruturas tubulares.

fachadas de casas

Conversamos também sobre o uso de esquadrias de linhas convencionais,  compondo fachadas de vidro também usando estrutura tubular.

fachada de casas

Neste próximo item, foi visto que o vidro auto portante também pode ser inserido na fachada, aproveitando a própria estrutura da construção com pouquíssimos mas eficientes recursos de fixação.

fachadas de casas

Por último, falamos sobre o vidro U glass. Ele tem um belo design que além de translúcido é capaz de suportar relativas cargas de vento. Por razões estruturais, também oferece outros benefícios como conforto térmico e acústico, fácil manuseio e modelagem.

u glass

Analisamos várias  versões de fabricação que atendem às mais variadas condições de uso. O vidro concilia, como poucos produtos, o apelo estético e funcional, o que o torna um dos elementos mais presentes na arquitetura contemporânea. Apesar da aplicação em grande escala, a escolha do vidro, infelizmente em muitos casos, ainda prioriza os critérios de cor e preço, deixando aspectos técnicos em segundo plano.


O ponto de partida para a especificação está no levantamento das necessidades de cada projeto em relação aos níveis desejados de conforto térmico, acústico e visual. Também é preciso dispor de dados, como a cor pretendida para o vidro, pois esse detalhe interfere diretamente no desempenho. Tudo isso deve ser visto antes de decidir o sistema da fachada.

Diariamente, nos deparamos com decisões equivocadas tanto na escolha do vidro, quanto no sistema que fará a composição da fachada.


Torço para que seja adotado um novo conceito por engenheiros e arquitetos, um conceito que priorize decidir em primeiro plano os elementos externos e principalmente em relação ao vidro. Não é raro nos depararmos com profissionais decidindo que tipo de vidro será comprado, quando tudo já esta decidido inclusive com os caixilhos já comprados e até instalados na obra.


É difícil de acreditar que o vidro é deixado para ser decidido em último lugar. Então, é natural que o profissional especificador ou até mesmo o proprietário da construção opte por um vidro que não cabe no caixilho, sendo obrigado a  abortar  a decisão.
Ou, por exemplo, a necessidade de fazer correções com películas de controle solar por ter optado por  um vidro ‘’mais barato’’,  que acaba ficando mais caro do que um vidro já com essa função, sem contar que o efeito estético não fica 100%.


Quando digo que a escolha do vidro deveria ser pensada como uma das prioridade nos projetos, não estou exagerando. Alguns profissionais ainda não estão conseguindo visualizar que a escolha do vidro e o sistema de envidraçamento usado interferem diretamente em diversos outros aspectos da edificação. Escolhido o sistema de envidraçamento de fachadas, coberturas e outras localidades da construção também são definidos a temperatura de insuflamento do ar nos ambientes, os revestimentos internos, a iluminação, o layout interno do ambiente e até mesmo o consumo de energia elétrica.


Não podemos dizer de antemão que um material seja bom ou ruim apenas com base em algumas de suas propriedades, principalmente, quando essas estão baseadas em ideias ultrapassadas sobre as características do vidro. Por exemplo,  quando ainda atuava como projetista para uma empresa fui  solicitado para desenvolver um projeto de iluminação e ventilação natural  em um hipermercado  no interior paulista. A ideia era simples: economizar energia elétrica principalmente pelo o uso de iluminação e refrigeração do ambiente de compras do estabelecimento.


Esse projeto ‘’foi lindo’’ de  fazer, pois tudo foi decidido antes do início da construção, com resultados melhores que o almejados.
O que inicialmente  seria apenas um respiro para expulsar o ar quente, tornou-se  uma cobertura envidraçada com a opção de ser parcialmente aberta nos dias mais quentes, proporcionando ainda uma iluminação excelente.


Quem frequenta aquele ambiente à noite, sente imediatamente o frescor proporcionado pela circulação e renovação constante do ar, quando a cobertura está aberta.
Nesse caso, tudo foi pensado antes, principalmente, pela ideia de manter a cobertura aberta na maior parte do dia. Por isso, foi preciso encontrar a melhor posição de abertura para evitar que, em algum momento, o percurso do sol coincidisse com a posição da abertura, o que poderia causar um desconforto grande nas pessoas e também provocar algum estrago nos produtos expostos.

Além disso, o sistema de abertura precisava ser ágil para que fosse fechado em casos de chuva repentina.


O engenheiro Carlos ficou tão empolgado com os vidros que cercou todo o entorno do mercado com vidros temperados. As basculantes que ficavam a aproximadamente 7 metros do chão também podiam ser abertas tranquilamente sem uso de escadas.
Esse obra foi em exemplo perfeito sobre os benefícios de pensar em vidro antes de construir.
Apesar do projeto ter ido na contramão do conceito que as pessoas não podem ver o tempo passar durante as compras,  a ideia principal foi alcançada com êxito.

 
O que conta é sua adequação no projeto, considerando as propriedades do material, o clima e o uso da edificação. Hoje, as informações dos valores cedidas pelos fabricantes de vidro como: Coeficiente de Sombra (CS) , Coeficiente de Transmissão Térmica (Valor U) e o Fator Solar  (FS) estão disponíveis aos interessados.


E podem ajudar muito no momento da escolha.


Ainda existe a cultura que o vidro é apenas um material para fechar vãos ou um simples material de acabamento. Na verdade, o vidro pode ser determinante para o conforto das pessoas e para a edificação estar adequada aos conceitos sustentáveis.


Espero que tenha sido útil para você! Se precisar tirar mais alguma dúvida, com certeza temos aqui mesmo arquivado em nosso site outras matérias que te deixarão melhor informado sobre sistemas de  Fachadas envidraçadas ou outros produtos derivados do vidro.
É só digitar o assunto do seu interesse em nosso buscador.
Ou se preferir faça um comentário que logo entraremos em contato!


Obrigado!

 

 

 


 

Faça seu Comentário
Voltar

© 2019 Setor Vidreiro - Todos os direitos reservados